Melhores da Base

Notícias |

Especial | 18/12/2018 às 15:45:00

35 anos do falecimento do "gênio das pernas tortas". Mané Garrincha.

10 fatos sobre Garrincha


Mané Garrincha foi bicampeão Mundial com a Seleção Brasileira em 1958 e 1962. Faleceu aos 49 anos, mas sua magia nunca será esquecida.

 
10 fatos sobre Garrincha 

 
1 Manuel Francisco dos Santos – conhecido como Garrincha – era um homem de muitos apelidos. O apelido Garrincha foi dado por uma de suas irmãs  é o nome de um passarinho muito comum na região onde ele nasceu. O jogador também era chamado de “Alegria do Povo”, por encantar os estádios pelo Brasil com seus dribles desconcertantes. Seu epitáfio diz: “Aqui descansa em paz aquele que foi a alegria do povo”.
 
2 A estreia de Garrincha no profissional do Botafogo foi em 19 de julho de 1953. Na época, o Glorioso não vivia boa fase e perdia, em casa, para o Bonsucesso por 2×1. Foi marcado um pênalti para o Botafogo e nenhum dos jogadores mais experientes – entre eles, Nilton Santos – se apresentou para bater. O novato Garrincha não teve vergonha, pegou a bola e converteu o pênalti. A partida terminou com a vitória do Botafogo por 6×3 e três gols do eterno camisa 7.
 
3 Garrincha sofria de uma distrofia física: as pernas tortas. Sua perna direita era seis centímetros mais curta que a esquerda e também flexionada para o lado esquerdo, enquanto sua canhota também apresentava o mesmo desenho. Ou seja, as duas pernas do jogador eram tortas para o lado esquerdo – e Garrincha era destro. Mesmo com essa deficiência, Mané se tornou um dos maiores dribladores a jogar uma Copa do Mundo e, por isso, foi apelidado de “Anjo das Pernas Tortas”.
 
4 Em seu primeiro treino no Botafogo, Garrincha se mostrou extremamente abusado, dando vários dribles em ninguém mais, ninguém menos que Nilton Santos – um dos principais jogadores do país. A humilhação foi tanta, que a 'Enciclopédia' chegou a implorar a Didi, outro craque do Glorioso, para que pedisse a Garrincha para parar com os dribles.
 
5 Garrincha foi responsável pela “invenção” do grito de “olé”. Em 1957, no México, o Botafogo jogou um amistoso contra o River Plate. Quem sofreu durante a partida foi o zagueiro Vairo. João Saldanha, técnico do Alvinegro na época, relatou o caso em seu livro “Histórias do Futebol”: “Toda vez que Mané parava na frente de Vairo, os espectadores mantinham-se no mais profundo silêncio. Quando Mané dava aquele seu famoso drible e deixava Vairo no chão, um coro de cem mil pessoas exclamava: ‘Ô ô ô ô ô ô-lê!’”
 
6 Garrincha iniciou a Copa do Mundo de 1958 no banco de reservas. O Brasil chegou no 3º jogo, contra a URSS, precisando da vitória para se classificar para a próxima fase. Para a partida, o técnico Vicente Feola decidiu mexer na escalação, colocando na equipe Pelé e Garrincha pela primeira vez. A orientação para o meia Didi foi de lançar a primeira bola do jogo para Garrincha. E não deu outra. Em apenas três minutos, Garrincha driblou dois e acertou a trave do temido Lev Yashin. Pelé também acertou a trave, enquanto Vavá conseguiu balançar as redes. 1 a 0 para o Brasil, em que o jornalista Gabriel Hanot definiu como “os três melhores minutos da história do futebol”.
 
7 A Copa de 1962 foi a Copa de Garrincha. Pelé se machucou logo no 2º jogo e Garrincha assumiu a responsabilidade de comandar o Brasil rumo ao bicampeonato. Aliás, as comparações com Pelé o acompanharam basicamente durante toda a carreira. O craque, contudo, minimizava: “O Pelé era o homem-gol, eu sempre fui o homem que preparava as jogadas. Ele é o rei do futebol, eu fico no segundo plano e estou feliz com isso”. Com os dois em campo a Seleção Brasileira nunca perdeu.
 
8 Garrincha foi o responsável por consagrar a “camisa 7” no Botafogo. Desde então, a camisa sempre foi reservada ao jogador considerado de maior qualidade do time. Além de Garrinha, Jairzinho, o Furacão da Copa de 70, também vestiu a 7. Em 1989, Maurício marcou o gol que deu ao Botafogo o título Carioca após 21 anos na seca. O número da camisa dele? Sete! O último grande jogador alvinegro a vestir a 7 foi Túlio Maravilha, artilheiro da campanha do Botafogo na conquista do título Brasileiro em 1995.
 
9 Em Magé (RJ), cidade natal de Garrincha, o dia 28 de outubro é feriado municipal. Este também é o dia que o Anjo das Pernas Tortas teria nascido. Isso mesmo, “teria”. Até hoje, não se sabe ao certo quando o craque nasceu. De acordo com Ruy Castro, especialista na vida do jogador, o pai de Garrincha teria feito o registro da criança com atraso e de forma errada, afirmando que seu filho nascera no dia 18 de outubro, e não no dia 28. O Botafogo, por exemplo, celebra o aniversário do grande ídolo no dia 18.
 
 
10 Durante toda sua vida, Garrincha teve problemas com o consumo excessivo de álcool. O vício acabou encurtando não só sua carreira, mas também sua vida. A Alegria do Povo faleceu no dia 20 de janeiro de 1983, por consequência de uma cirrose hepática, aos 49 anos. Apesar das conquistas e de ter encantado o mundo com seu talento, Garrincha foi derrotado pelo alcoolismo e deixou saudades. Seu nome, por muitas vezes, é ignorado nas listas de grandes jogadores do futebol mundial. Mas, na história da Seleção Brasileira e do Botafogo, Mané Garrincha está eternizado.
 


Homenagem na musica "Balada numero 7" de Moacyr Franco



« voltar




Giro da base


DESTAQUES

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS


MELHORES DA BASE © 2015 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS